sábado, 11 de novembro de 2017

Voz do Cidadão (VI) - Episódio 30 - RTP Play - RTP

"Deve a televisão pública transmitir touradas? Eu penso que não." (Provedor do Telespectador da RTP, Jorge Wemans)

Programa Voz do Cidadão de hoje, 11/11/2017:

Voz do Cidadão (VI) - Episódio 30 - RTP Play - RTP

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Queixa Bem-Sucedida ao Provedor do Telespectador da RTP

Na sequência de uma mensagem ao Provedor do Telespectador da RTP por nós sugerida (acção em que participaram algumas pessoas, às quais muito agradecemos), o Senhor Provedor respondeu o seguinte:

 “(...) Darei conhecimento da sua queixa a quem de direito e penso tratar esta questão em próximo programa Voz do Cidadão”.

Esta acção de envio de mensagens contribuiu assim para que o assunto “tauromaquia” seja incluído, pela primeira vez durante o mandato de Jorge Wemans, num programa “Voz do Cidadão”.

Mais uma pequena grande vitória!

As declarações do Presidente do Conselho de Administração da RTP que estiveram na origem da mensagem que deu os referidos frutos podem ser ouvidas aqui:


Aguardemos agora por um episódio do “Voz do Cidadão” centrado na emissão televisiva de touradas, que inclua também uma abordagem à postura dos colaboradores da RTP que vão apoiando, muitas das vezes de forma imprópria, a indústria tauromáquica.

sábado, 14 de outubro de 2017

Envio de Queixas para a RTP



Presidente do Conselho de Administração da RTP assiste a uma tourada televisionada, tece grandes elogios à tauromaquia e fala numa “parceria para continuar”. Por favor, apresente a sua queixa quanto ao sucedido em  ▶ https://goo.gl/uW7NQH

----- Mensagem sugerida -----

Exmo. Sr. Provedor,

Acabei de saber, via redes sociais, que o Presidente do Conselho de Administração da RTP tomou partido a favor da tauromaquia, durante uma entrevista no decorrer da tourada emitida pelo canal 1 em 12/10/2017. Referindo-se às touradas, não só proferiu afirmações como é um “bom espectáculo” e é “um espectáculo familiar”, como deu a entender que a RTP as vai continuar a emitir, dizendo que “é uma parceria para continuar”.

Considero inadmissível que, perante um tema tão fracturante como a tauromaquia, e num contexto em que o processo mais volumoso de queixas que existe na RTP é o que respeita à emissão de touradas, um membro do conselho de administração tenha a atitude que acabei de descrever.

Manifestada que está a minha indignação, peço a V. Exa. que faça o que for possível para que, enquanto a RTP não deixar de emitir touradas, representantes dessa estação de televisão não aproveitem a emissão das mesmas para se mostrarem e para tentarem beneficiar a indústria tauromáquica. Parece-me que é o mínimo que se deve exigir.

Com os melhores cumprimentos,

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Caixa Geral de Depósitos *Não* Apoia Touradas

Caixa Geral de Depósitos esclarece que o seu logotipo foi indevidamente utilizado no cartaz do IX FESTIVAL TAURINO A FAVOR DA CERCIBEJA e que "tem, por princípio, não apoiar touradas ou outras manifestações culturais onde haja violência contra animais". O nosso muito obrigado a todas as pessoas que questionaram a CGD a este propósito; bem como à Caixa, com certeza.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Resposta da FENACERCI (à mensagem da publicação anterior)

Resposta célere à mensagem da "Acção - Touradas Não" que demonstra boa vontade da parte da FENACERCI quanto ao assunto "Cercis e touradas". Esperemos que a reflexão, e a sugestão e aconselhamento de caminhos a seguir, nos tragam os resultados desejados.    

"Caras amigas /caros amigos

Acusamos a recção do vosso mail, que mereceu, como não podia deixar de ser a nossa melhor atenção. A Fenacerci pauta-se por uma atitude condizente com o absoluto respeito pelos direitos das pessoas e dos animais e, desse ponto de vista, subscrevemos as vossas preocupações. Assumimos também o compromisso de refletirmos com as nossas associadas as matérias que se prendem com uma ação alinhada e consequente no que toca à defesa dos direitos dos animais. Como certamente saberão, cada uma das nossas associadas é autónoma das suas decisões e nós, nestas matérias que não envolvem atos ilícitos, apenas podemos sugerir ou aconselhar caminhos a seguir. Isso não invalida que não façamos um contacto imediato com a nossa associada, para percebermos melhor os contornos da situação.
De qualquer modo, agradecemos o vosso contacto, na medida em que nos alerta para uma matéria que tem que merecer a nossa imediata atenção.

Aceitem os nossos melhores cumprimentos,


cid:image001.jpg@01CF7F51.4BE43800
Rogério Cação
Vice presidente da Direção"

Acção - Touradas Não





A CerciBeja já foi beneficiária/apoiante de nove touradas. Não podemos permitir que as Cercis continuem a associar-se à tauromaquia. Por favor, escreva para a Federação que as representa, bem como para a Caixa Geral de Depósitos, cujo logotipo consta no cartaz da tourada do dia 7/10/2017. 

Basta enviar a mensagem abaixo sugerida (ou outra) para os endereços indicados. 

----- Mensagem sugerida -----

Para:
com.marketing@fenacerci.pt, cgd@cgd.pt

Cc:
marinhenses.antitouradas@gmail.com

Assunto: Touradas Não
(ou outro assunto que lhe pareça apropriado)

Exmos. Srs.,

Começando por me dirigir à Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), enquanto representante da Cercibeja,

Escrevo-lhes para expressar a minha mais profunda insatisfação por a CerciBeja ter sido beneficiária, e paralelamente apoiante, de um “Festival Taurino” decorrido no dia 7 de Outubro de 2017, bem como por ter levado pessoas com deficiência intelectual a assistir e por ter demonstrado uma total falta de respeito pelas muitas pessoas que deixaram pedidos de cancelamento da tourada na página do Facebook da Instituição mas que tiveram como única resposta a eliminação dos seus respectivos comentários.

Na recente tourada a favor da referida Instituição de Beja, obrigaram-se vários equinos e seis bovinos a participar. Sujeitaram-se esses equinos a elevados níveis de stress e a diversos perigos, como o de serem colhidos pelos bovinos. Humilharam-se e torturaram-se os bovinos, sem se dispensarem sevícias como cravar ferros com arpões nos corpos dos animais ao som de olés e aplausos.

É verdade que a tauromaquia ainda beneficia, no nosso país, de uma excepção expressa na mesma lei que proíbe expressamente “todas as violências injustificadas contra animais”, como sejam, infligir-lhes “a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões”, discriminando assim os touros relativamente aos outros animais não humanos. Mas é indiscutível que, embora ainda legalmente permitida, se trata de uma actividade violenta que causa muita repulsa na sociedade portuguesa. E é por esta polémica actividade implicar violência contra seres sencientes, excluídos e colocados numa situação de vulnerabilidade, que me parece que as Cercis dela se deveriam distanciar.

A mais recente tourada a favor da CerciBeja pode até ter rendido, segundo informações veiculadas por blogues tauromáquicos, 3.013,54 euros; mas é certo que afectou negativamente a credibilidade desta Cerci e das Cercis em geral.

Venho, pois, pedir à FENACERCI para recomendar às suas associadas que não sejam beneficiárias de espectáculos tauromáquicos.

Aproveito a presente mensagem para perguntar à Caixa Geral de Depósitos se tem conhecimento de que o seu logotipo constou no cartaz publicitário da referida tourada, e se a patrocinou.

Agradecendo a atenção dispensada,
Com os melhores cumprimentos,
(Nome)
(Localidade)